Febre Terçã

Letra da música

Sampa SP 2

Compositor: Erick Batista

Amém, amém… Amém, amém… Amém, amém, ah Man! Amém, amém, é…

Amém, amém… Amém, amém… Amém, amém, ah Man! Amém, amém, oh…


Sou indígena e africano, maluco e suburbano e vivo bem no olho desse furacão.

Parece com o Katrina, mas chama-se São Paulo, cidade muito louca que não pára não!

Quem vive quer sair, que vem não quer voltar, cidade que condensa essa coisa humana.

Tem semana da moda, também tem muito mais, o que você quiser em Sampa é só correr atrás!

 

Amém, amém… Amém, amém… Amém, amém, ah Man! Amém, amém, é…

Amém, amém… Amém, amém… Amém, amém, ah Man! Amém, amém, oh…

 

Tem que tomar cuidado e trabalhar à beça: aqui é megalópole e tudo acontece às pressas.

O tráfego é pesado, de muitas toneladas, pois o consumo é grande e não pode haver parada.

Também tem muito som, para tudo que é estilo, espaço para artes, com isso não se tem grilos.

Tem muito, muito dinheiro, só que o status vale mais, mas está bem concentrado em mãos de pouca gente.

Como no mundo inteiro não querem espalhar, para poucos viverem bem muitos tem que se escravizar.

Nessa multidão sem rosto, ninguém tem dó de ninguém. O que resta é pedir só a benção de Deus.

 

Amém, amém… Amém, amém… Amém, amém, ah Man! Amém, amém, é…

Amém, amém… Amém, amém… Amém, amém, ah Man! Amém, amém, oh…

 

Sou indígena e africano, maluco e suburbano e vivo bem no olho desse furacão.

Parece com o Katrina, mas chama-se São Paulo, cidade muito louca que não pára não!

Quem vive quer sair, que vem não quer voltar, cidade que condensa essa coisa humana.

Tem semana da moda, também tem muito mais, o que você quiser em Sampa é só correr atrás!

 

Amém, amém… Amém, amém… Amém, amém, ah Man! Amém, amém, é…

Amém, amém… Amém, amém… Amém, amém, ah Man! Amém, amém, oh…

 

Tem que tomar cuidado e trabalhar à beça: aqui é megalópole e tudo acontece às pressas.

O tráfego é pesado, de muitas toneladas, pois o consumo é grande e não pode haver parada.

Também tem muito som, para tudo que é estilo, espaço para artes, com isso não se tem grilos.

Tem muito, muito dinheiro, só que o status vale mais, mas está bem concentrado em mãos de pouca gente.

Como no mundo inteiro não querem espalhar, para poucos viverem bem muitos tem que se escravizar.

Nessa multidão sem rosto, ninguém tem dó de ninguém. O que resta é pedir só a benção de Deus.

 

Amém, amém… Amém, amém… Amém, amém, ah Man! Amém, amém, é…

Amém, amém… Amém, amém… Amém, amém, ah Man! Amém, amém, oh…